domingo, 15 de fevereiro de 2009

Desalmados


Quantos são os santos,
e quantas são as rezas?
Pra se entrar no céu?
Quantos são os atos,
e quantas são as feras?
Que giram em teu carrosel?

Quantas são as curvas,
e quantas são as pedras?
Do teu caminho torto?
tuas vistas turvas,
cegam feito trevas
o meu olhar de morto

sei que vais chorar
sei que vais sorrir
sei que vais além

falta não fará
se acaso, o diabo pedir
a alma que não tens

A alma que em mim falta
Não é a alma mais alta
Não é bonita de se ver...
A alma que eu nem sei,
Nem se quer dissimulei
Esta alma, eu perdi em você.
[para uma amiga próxima/distante]

5 comentários:

Leandro Marlon disse...

A ausência/saudade/necessidade/vontade...
Tragédias da vida humana...
Fogo da inspiração.

Zu disse...

Zé fodãaao *_*!
Vou me casar com você [2].
[Depois com a outra]

CArina CAmila disse...

Gabriel..
quantas são as vezes que me falta escrever pra ser igual a você?

Rs..

Beijos

Anitha Rosenrot disse...

Sou fã do Zé Gabriel!
Esses textos sempre tiram de mim todas as palavras. *-*

Dênis Rubra disse...

Palavras excelentes Gabriel!
Parabens
Eu tambem tenho um blog, aonde costumo postar minhas poesias...
Quando quiser visitar, será bem vindo.