domingo, 26 de abril de 2009

Carla


Era linda como uma lembrança boa!
tinha o cheiro nostálgico de mar aberto, dama-da-noite ou terra molhada
Era viva como a própria vida
A chamava: minha primavera!
No sorriso podiamos ver todas tonalidades do sol
Era vidro prata, praia branca, torre de marfim
era primavera resumida em flor...
era um sonho coletivo.

Soube que ,na madrugada do suicídio, escrevera alguns versos para mim
nunca os achei...

éramos só eu, a avó e alguns quero-queros... Campo aberto, talho na terra
deitada, pulsos enfaixados, cabelos cacheados, loiros como a antemanhã!
transmitia-me paz...

cruzava o rio, e com ela, um filho meu.
Logo depois, o inverno chegou
Pesado e frio, indestrutível
(Pensava em cruzar o rio...tê-la em meus braços, e a minha menina,era menina!)
breves momentos de verão
mas sempre inverno...
Pois bem
Com nuvens branquinhas, uma voz doce
e cheiro de halls de uva verde,
chegou o outono
caminho por ele e com ela
ando por aí, com ela do lado
meu doce outono!

porém, primavera nunca mais houve.
feneceu a primavera e com ela, uma flor.
Seria flor, se não fosse morta
[seria vida, se não fosse flor]
seria primavera... Simplesmente primavera.

- minha primavera!

2 comentários:

CArina CAmila disse...

Até o nome chega ser parecido..;)
Adorei.

Adoro a primavera..

zu disse...

não sua,
da primavera