quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Às linhas expressas que virão


Fiquei dias pensando em algo mirabolante para escrever aqui hoje. Tarefa que se tornou ainda mais difícil após ler as últimas atualizações.

Não queria fazer nada parecido com aquelas milhares de promessas e acertos de contas de fim de ano. E também não queria encher de expectativas o tal do ano novo.

Pular ondinhas, comer uvas e usar uma peça íntima verde, amarela, rosa e por que não vermelha? Talvez uma calcinha “arco íris” dê conta de todos meus anseios...

Além de todos os desejos que habitam os clichês da virada, resolvi escolher um lugar comum entre aqueles que de alguma forma vivenciam a experiência desse blog.

A idéia de escrever diariamente me pareceu excitante e desafiadora. Algo necessário para uma aspirante à jornalista. Mas além de colocar os pensamentos nesta linha expressa, o prazer de ler as aguçadas percepções alheias também é igualmente gratificante.

Para 2009, eu desejo a nós, leitores e escritores, um olhar apurado para capturar o que a vida permite transformar em poesia, prosa, linguagem e emoção... Como um perfeito flâneur, em busca do resgate do efêmero, do transitório e de tudo admirável que cerca nosso dia-a-dia



Até as próximas linhas...

Um comentário:

Danyel de Argolo Cardoso disse...

"Como um perfeito flâneur, em busca do resgate do efêmero, do transitório e de tudo admirável que cerca nosso dia-a-dia".


Duas palavras contidas nesse fim, que sempre me lembram Mariana Moreno.


Ao efêmero, pois.
E que venham muitas linhas expressas.